O presidente do Partido Liberal (PL), Valdemar Costa Neto, afirmou nesta sexta (20) a um grupo de empresários de São Paulo que as mulheres brasileiras "implicam" com o presidente Jair Bolsonaro.

Disse ainda que quem vota em Lula é "gente mais humilde, muito afastada de tudo". E que as empregadas domésticas dos convidados seguramente não conseguiriam responder quem é Tarcísio de Freitas, o ex-ministro da Infraestutura apoiado pelo presidente para o governo de SP.

Segundo Costa Neto, Bolsonaro deveria ter escolhido uma mulher para ser sua vice na chapa da reeleição.

"[O vice] tinha de ser uma mulher. O Bolsonaro, nas pesquisas nacionais, entre os homens, está um pouco à frente. Mas quando chega nas mulheres... as mulheres implicam com o comportamento dele", disse. "É interessante isso", completou.

O encontro foi organizado na casa de João Carlos Camargo, presidente do grupo Esfera Brasil, que tem reunido empresários em torno de autoridades e de lideranças de diferentes partidos.

Entre os presentes estavam Abilio Diniz, José Ermírio de Moraes Filho, Candido Pinheiro, da Hapvida, e André Freitas, da Hedge Investments.

Valdemar Costa Neto começou sua fala informando que o partido vai, sim, contratar uma empresa de auditoria para fiscalizar as eleições brasileiras.

Ele atende a uma determinação do presidente Jair Bolsonaro (PL), que vem reiteradamente fazendo ataques ao sistema eleitoral brasileiro e colocando em dúvida a confiabilidade das urnas eletrônicas.

Costa Neto afirmou que o próprio TSE convida partidos para fiscalizarem as eleições, e que a legenda fará isso contratando uma empresa.

"O que não pode ficar em dúvida é se existe corrupção e roubo de votos", afirmou ele.

Com Bolsonaro em segundo lugar nas pesquisas, com 32% dos votos contra 44% de Lula (PT), segundo sondagem divulgada nesta sexta (20) pelo Ipespe, Costa Neto afirma que a campanha do partido vai investir pesado na divulgação de que o presidente é o responsável pelo pagamento do Auxílio Emergencial aos eleitores de baixa renda.

"Nossa grande diferença está no Nordeste", disse ele. "Com as inserções que vamos fazer [de televisão e rádio], vamos esclarecer para o povo do Nordeste o que o Bolsonaro fez. Vamos mostrar que os R$ 400 que eles recebem é do Bolsonaro, do governo federal", afirmou.

Os bolsonaristas, por enquanto, teriam ainda "pouco contato" com "o mundo do Nordeste".

Segundo Costa Neto, o PL fez uma pesquisa e "as pessoas não sabem de onde vem o auxílio".

A legenda terá neste mês direito a 40 inserções de propaganda em rádio e TV. Com isso, diz Costa Neto, poderá chegar ao eleitorado que hoje declara voto no PT.

"Quem vota no Lula é gente mais humilde, muito afastada de tudo", disse ele. O político afirmou também aos empresários que, se eles perguntassem "às suas empregadas domésticas" quem é o pré-candidato ao governo de SP Tarcísio de Freitas, do PL, elas não saberiam responder.

Abilio Diniz, que chegou depois que o político já tinha começado a falar, afirmou que o Brasil precisa voltar a crescer e que Bolsonaro tem que ir para a TV aberta mostrar suas realizações. Disse que, se "a Globo não deixa" o presidente falar o que fez, outras emissoras podem abrir espaço para ele.

O governo deveria se comunicar de maneira que as pessoas entendam, "sem economês", afirmou Abilio. "Eu disse isso ao Paulo Guedes", revelou ele.

O Pix também entrará na campanha eleitoral. Implantado pelo Banco Central, o sistema de pagamentos será mostrado como um trunfo de Bolsonaro.

Costa Neto afirmou que a própria mulher dele não sabe que o presidente "criou" o Pix. Se ela, que é "esclarecida", não tem ideia, menos ainda a maioria da população, disse o presidente do PL. Segundo ele, o "povão" não fica vendo notícia em celular. Prefere ver novela.

Valdemar afirmou ainda que tem se encontrado com ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), e que o diálogo com eles tem sido excelente.