No mesmo dia em que o PSB acertou a filiação de Geraldo Alckmin ao partido e afirmou que ele será indicado candidato a vice na chapa de Lula, a deputada federal Tabata Amaral (PSB-SP) fez ácidas críticas ao PT em um jantar com empresários em São Paulo. Detalhe: ela estava ao lado do namorado, o prefeito de Recife, João Campos (PSB), que é da cúpula da legenda e havia se reunido com o ex-governador algumas horas antes.

 

A deputada Tabata Amaral (PSB-SP) durante jantar oferecido grupo Esfera, em São Paulo
 
 
MORDE E ASSOPRA

Em primeiro lugar, Tabata afirmou que vem "lutando bravamente" contra uma federação de seu partido com o PT. Informou que a ala paulista do partido tem posição "unânime" contra a proposta —o que nunca foi dito tão explicitamente pelas principais lideranças da legenda em SP. E disse que, com a união, o PSB se tornaria uma sublegenda, o que prejudicaria a agremiação, definida por ela como "a maior e talvez única alternativa que olha para frente, como progressista".

 

MORDE 2

"Acho que o Brasil comporta e precisa de uma esquerda mais moderna, que não olhe para União Soviética, ou para a Venezuela, mas sim para Portugal, ou para a Espanha, ou ainda para o Partido Democrata, nos EUA", afirmou. Chegou a dizer também que é contra "qualquer passada de pano para ditadura e autoritarismo".

 

MORDE 3

Ela disse ainda discordar "de todos os posicionamentos que o PT vem tendo", e que "aí entra meu realismo otimista, de achar que, tudo bem, se não vai ter terceira via, também não é por isso que vou me contentar com esse PT que está se apresentando".

 

MORDE 4

O enterro da federação não inviabiliza uma aliança com Lula, tendo o ex-governador de São Paulo como vice. "Já que a gente vai ter o Lula, que seja com um vice como Geraldo Alckmin", afirmou a deputada, afirmando ser necessário "estressar o máximo o programa que eles [petistas] querem colocar na rua".

EM BUSCA

João Campos e Tabata contaram aos empresários, reunidos pelo grupo Esfera, que participaram com entusiasmo dos esforços para viabilizar um candidato da terceira via, como o apresentador Luciano Huck ou a empresária Luiza Trajano.

 
LULA LÁ

Com um discurso mais moderado em relação ao PT, o prefeito de Recife afirmou que "não gostaria de ver o Brasil chegando a essa situação", de ter uma eleição polarizada entre Jair Bolsonaro e Lula. "Mas chega uma hora em que você se dá por derrotado. Haverá Lula e Bolsonaro. E, no nosso caso, vamos ficar com o Lula", disse.

 

REVISÃO

Questionados sobre os votos que deram na reforma da Previdência —ele, contra, e ela, a favor—, Campos afirmou que hoje, depois da experiência como prefeito da capital pernambucana, mudaria alguns posicionamentos.

 

OBRIGADO

Já Tabata foi elogiada. "A turma toda aqui agradece a tua posição", disse o empresário Lírio Parisotto.