Em busca de diálogo da campanha de Lula com setores do mercado, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, tem feito uma série de conversas com empresários para ouvir preocupações e pleitos no ano eleitoral e também para passar um panorama do que pensa o PT para uma eventual agenda econômica num novo governo.

Na segunda-feira (4), em um jantar com empresários realizado na casa de Joao Camargo, em São Paulo, Gleisi Hoffmann criticou os preços em dólar da Petrobras ao dizer que a estatal possui um dos menores custos de produção do mundo. Como uma eventual solução, sugeriu um aumento da capacidade de refino do país com a volta da construção de novas plantas de refino.

Aos empresários, a presidente do PT defendeu o papel do Estado como indutor da economia, por meio de investimentos para a área de infraestrutura e também financiando setores com juros subsidiados, por exemplo.

Na conversa, a presidente do PT citou ainda o presidente americano, Joe Biden, e defendeu o aumento de gastos públicos para financiar programas sociais.

As informações, apuradas pelo blog com participantes do encontro, foram confirmadas pela presidente do PT à reportagem nesta terça-feira (5).

Em entrevista ao Em Foco com Andréia Sadi, Gleisi Hoffmann afirmou sobre agenda econômica: mercado não pode alegar ‘medinho’
 
A presidente do PT disse ao blog que também foi levantada a preocupação por parte dos empresários com uma eventual revisão da reforma trabalhista. No encontro, empresários disseram a ela que veem como positiva a reforma. Gleisi disse que pode ter pontos positivos, mas que o motivo da reforma, que era gerar empregos, deu errado. Por isso, defendeu que seja revista.

No entanto, ela admite que qualquer revisão em um eventual novo governo do PT dependerá de diálogo com o Congresso – em sua maioria, de perfil conservador.