Aconteceu ontem (terça-feira, 21), em Brasília, uma reunião que pode trazer mais harmonia ao Congresso Nacional. Durante uma conversa longa, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e o ministro da Economia, Paulo Guedes, estabeleceram uma nova aliança entre as Casas e o governo. O motivo: a reforma tributária. 

Acompanhado do senador Fernando Bezerra (MDB-PE) e aconselhado por seu antecessor e senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), Pacheco se comprometeu a dar andamento à votação da reforma do Imposto de Renda (IR) no Senado, para a qual já até escolheu o relator: Angelo Coronel (PSD-BA). Em contrapartida, Lira colocará em votação a reforma tributária do novo Refis – ou passaporte tributário – na Câmara. Quem fica responsável pelo texto substitutivo é Newton Cardoso Júnior (MDB-MG).

A tratativa de paz é motivo de comemoração entre os interessados. Diversos associados da Esfera Brasil tinham a impressão de que a reforma tributária não andaria no Senado. 

A reunião no Senado foi estimulada pela Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios, de interesse de ambas as partes e, agora, é motivação para o entendimento entre as Casas. De olho no Orçamento de 2022, o Executivo precisa que a PEC seja aprovada o mais rápido possível. E o Legislativo está se movendo para viabilizá-la.

Tanto a recuperação da reforma tributária quanto a movimentação em prol da PEC dos Precatórios selam um acordo entre as duas Casas, que passam a marchar juntas em direção à aprovação de projetos pró-Brasil.